CHAMADA DE ARTIGOS PARA DOSSIÊS TEMÁTICOS

Dossiê Etnologia Indígena do Nordeste

Organizadores: Leandro Durazzo (Doutorando pelo PPGAS/UFRN) e Felipe Sotto Maior Cruz (Doutorando pelo PPGAS/UnB)

ATÉ 30 DE ABRIL DE 2018

Este dossiê pretende evidenciar pesquisas que se ocupem de realidades indígenas no Nordeste do Brasil. Objetivamos que temas como demarcação de territórios, modos tradicionais de agricultura, educação específica e diferenciada e religiosidades, grandes questões estudadas tradicionalmente pela antropologia na região, se aliem a trabalhos sobre gênero, saúde, políticas públicas, urbanização e circulação de sujeitos indígenas entre diversos contextos sociais. A presença atual e ativa de inúmeros indígenas pesquisadores nas universidades brasileiras desempenha papel fundamental na reflexão teórica e na elaboração de questões não apenas sobre seus respectivos povos, mas sobre os próprios modos de conhecimento que compartilhamos enquanto comunidade acadêmica. Este volume buscará traçar um quadro variado de trabalhos antropológicos que deem conta da também variada região do Nordeste indígena, com seus distintos povos, diferentes realidades locais e especificidades étnicas. 
 
 

Dossiê Abordagens antropológicas contemporâneas sobre técnica e tecnologia

Organizadores: Paulo Gomes de Almeida Filho (Doutorando pelo PPGAS/UFRN) e Eduardo Di Deus (Doutorando pelo PPGAS/UnB).

ATÉ 30 DE JULHO DE 2018

O presente dossiê busca reunir trabalhos que versem sobre a singularidade da abordagem antropológica sobre técnicas e tecnologia, ou seja, o estabelecimento destas enquanto problema empírico e reflexão epistemológica. Assim sendo, interessa-nos estudos direcionados aos processos sociotécnicos, entendendo-os como resultantes de interações entre humanos, artefatos, plantas, animais, minerais e o ambiente de modo geral. Por exemplo, os estudos que se debrucem sobre modos de coleta, cultivo, criação/domesticação, individuação, produção e circulação. Também trabalhos sobre processos de transformação, as escolhas técnicas, aprendizagem, e/ou a transferência de tecnologia. E, por fim, produções que versem sobre projetos políticos de natureza tecnocientífica que se configurem enquanto processos sociotécnicos.